Pais: 3 em 1

Eu cresci ouvindo que homem não chora, levando tapa na nuca sempre que falava alguma coisa no diminutivo – bonitinho, engraçadinho – , sendo obrigado a engolir choro mesmo quando meu polegar estivesse torcido e sua ponta virada para o cotovelo. Não que meu pai fosse violento ou coisa similar, ele era só mais um pai produzido pela sociedade da época.

Não sei muito bem como e nem porque, mas os tempos mudaram e os pais com eles.

É engraçado, mas se você der uma olhada na internet vai achar uma penca de blogs de pais que falam abertamente sobre seu amor pelos pequenos e sim, nós somos meio idiotas nesse sentido.

E fazendo uma análise quase antropológica, reuni os pais de hoje em categorias abrangentes.

O PAI CULT

my-daddy-is-a-geek_256004-608xNesta turma estão os intelectuais, que desde a barriga lêem “Os Lusíadas” para o feto na esperança de formar um pensador que reflita sobre os dilemas da sociedade e estabeleça um diálogo entre os povos da humanidade. Também são incluídos os geeks e nerds, aqueles que enchem os olhos de lágrimas orgulhosas quando cogitam passar o legado de gibis e mangás para os filhos, que continuarão a empreitada e, para o alto e avante, destruir junto com Clark Kent a Fortaleza da Solidão ou quem sabe passar fins de semana inteiros jogando Mario no Super Nintendo até zerar todas as edições. Estes são os caras que criam os filhos para serem donos de novas starups no Vale do Silício.

O PAI BROTHER

Hayden and Dad

Esse é o cara que transforma o filho no seu melhor amigo. São os aventureiros, esportistas, baladeiros. Normalmente são os caras que parecem irmão do próprio filho. Conheço um pai que é tão brother que usa as roupas no mesmo estilo do filho só para não ficar deslocado com a idade. Acho que seria um desses, já tinha até encomendado um skate logo que descobri a gravidez, só para andar com meu filho, aí veio a filha e preciso ver alguma coisa que substitua, talvez patins.

O PAI FOFURA

IMG_5944Quando penso em fofura, vem logo na minha cabeça os ursinhos carinhosos – ai que coisa meiga – com toda sua doçura e inocência de algodão doce. E é por aí mesmo. O pai fofura, normalmente tem filhas e se vê obrigado a entrar num mundo cor de rosa e descer os degraus da “macheza”, algumas vezes usando tiaras de cinderela, outras até pintando as unhas. Essa é a fofura extrema. Mas também existem pais de meninos que são fofuras, vi no Facebook de uma amiga, a foto do seu marido largado no chão brincando com seu filho. Para nós isso é uma coisa cotidiana, mas quando me vêem em situação semelhante, os comentários que ouço: Ai que pai fofo!
Esses são os caras que normalmente sofrem quando os filhos crescem.

E aí eu fiquei pensando e levei exatamente 4 dias para finalizar esse post, por pouco seria descartado, mas tive uma experiência ontem interessante que quebrou toda essa minha teoria classificatória e separatista.

Algumas pessoas me caracterizam como nerd, no antigo sentido da palavra. Leio sobre todas as coisas, pesquiso sobre tudo e dou palpite. Já me vi dizendo que prezaria pela formação cultural e intelectual da Laura – puts – e algumas vezes converso em inglês para tentar alfabetizá-la. Quanta palhaçada! Mas enfim, eu sou assim e é essa imagem que as pessoas tem de mim.

Se fosse me categorizar seria essa figura nascido do Harry Potter, mas… Encontrei a mamãe urso ontem na fila do ônibus e a Laura toda saltitante esticou os bracinhos para o meu colo, peguei ela e automaticamente ela agarrou minha orelha, sinal de que o sono chegou.

Nós temos um código de dormir, ela encosta a bochecha na minha, segura minha orelha enquanto eu faço cafuné e começo a embalar. Depois disso começo a cantar e em menos de 5 minutos ela está fechando os olhos.

Enquanto a mamãe foi comprar alguma coisa para comer, eu fazia meu ritual, ali mesmo no ponto. E as senhoras vibravam atrás de mim: Ai que coisa mais linda e fofa.
Eu pensando que falavam da Laura, mas não, era de mim mesmo. Descobri que sou fofo! Já pintei o rosto para ela pensar que eu era uma boneca, pintei o nariz e me fiz de palhaço e atualmente tenho engatinhado pela casa. Mas não para por aí, ela virou minha melhor amiga, tem segredos que só conto pra ela, como no dia que voei em uma nuvem até o infinito para trazer o super canudo mágico com gosto doce.

Então, por mais que as diferenças existam, quem é pai de verdade carrega todas elas num corpo só, com a única intenção de fazer nossos filhos sorridentes.

FIMPOST2

Estudante de Publicidade e Propaganda, descobriu na gravidez um mundo inteiro de conquistas e novas realizações. Há um ano mantém o blog Coisa de Pai onde relata todas as aventuras da paternidade falando basicamente sobre amor. Já publicou textos no site Cantinho Pais e Filhos e site da Revista Pais&Filhos.

One Comment

on “Pais: 3 em 1
One Comment on “Pais: 3 em 1
  1. Olha, li tudo e o seu desfecho é exatamente o que penso. Pai que é pai veste todas as formas, as antigas e aprende as novas. Ele veste a camisa do paizão bonachão, palhacinho, nerd, geek, hipster, etc. Sejamos bons pais e esse será nosso melhor rótulo :) abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

COMENTE COM O FACEBOOK: